#day215 – um amor que não se explica

Quando acho que não consigo amar mais, vem a vida e mostra-me que o amor se descobre cada vez maior, mais limpo mais forte. É a caminhada interna que nos faz reconhecer que se pode sempre amar melhor. Que cabe sempre mais um suspiro no peito, e que nunca tem fim o seu leito. 

O amor aparece de rompante. Aparece quente e vibrante. O amor é intenso. Profundo e andante. O amor não espera o próximo autocarro da vida. Vai caminhando até à próxima estação. Mas nunca pára o seu percurso. Envolve a vida de quem o deixa entrar, com esperança e fé nos dias longos, e torna vibrantes os lugares sombrios. Porque o amor é “chama que arde e não se vê”. E quando ele vem para ficar, vem com tudo o que pode, tem e é. E abrasa pelo seu caminho os restos moribundos de um passado que ficou longe, só porque por onde passou gerou vida. O amor cura com tu o que é. É por isso que é inexplicável e complexo. Demorado e maduro. Desafiante e astuto. O amor não dá tréguas ao morno, aos pedaços e às superfícies. O amor quer saltar barreiras, entrar portas a dentro e ocupar o lugar que merece. Sem demoras. Porque tardou a vir. Tal era a sua vontade de ser perfeito. E é. Assim, perfeito no encaixe, na transformação e na segurança. O amor é ridiculamente elegante, sereno e capaz. O amor é gritante. É por isso que só os grandes peitos o recebem, pois nem todos construíram um enorme espaço, para caber um amor perfeito. ❤️

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s