#day307 – Faço. Nada.

Faço nada. E depois descanso. E depois faço nada de novo. Rebolo-me para o outro lado. Descanso mais um pouco. Fico só a ouvir as ondas do mar. Sem me sentir culpada de saber das horas a passar. Como se o mundo não existisse. Como se não houvesse nada mais importante do que estar aqui…

#day306 – às vezes não quero

Às vezes não quero aparecer para o mundo. Não quero sair do meu casulo. Do meu lugar seguro. Às vezes só preciso do meu próprio colo para repor as vontades e os desejos. Às vezes só quero fazer nada. Ficar à deriva na minha respiração enquanto ela me mostrar mais um e outro movimento. Até…

#day305 – sou pé no chão

Sou pé no chão. Assumidamente selvagem. Os meus cabelos só são cheios de sal. Sou pela liberdade extrema. Pelo pôr-do-sol brilhante. Sou pelas horas intermináveis a admirar o mar. Sou pelas ondas. Pelos uivos da areia ao luar. Sou pelas brisas. Pelo calor no rosto e a pele dourada. Sou pelas manhãs insanas. Sou pelos…

#day304 – faço-me à estrada

De todos os saltos pessoais que dei, os que mais me fizeram crescer foram quando me fiz à estrada. Quando tive coragem de deixar tudo para trás e seguir. Muitas vezes sem explicação aparente. Segui colocando a carreira em risco, a estabilidade em jogo e as relações em causa. Fiz-me à estrada porque sou um…

#day303 – as voltas que a vida me dá

Dou por mim às voltas. Em re-invenções constantes. E parece que a vida não pára de me surpreender. A vida é diversa para quem segue o seu coração. É rica. Cheia de nuances. Cheia de magia. Coincidências e relances. Não saberia como manter a estabilidade se não tivesse aprendido a confiar nos seus passos. É…

#day302 – a vida que quero para mim

Quero uma vida solta. Largada pelos 4 cantos do mundo. Quero uma vida solta. Cheia de tudo e de nada. Com um pôr-do-sol à chegada. Quero uma vida solta. Cheia de mar. Sol. E praia. Quero uma vida solta. Itinerante. Para onde o meu coração me mandar. Quero uma vida solta. Cheia de sons. Cheia…

#day301 – make a wish

Não podemos perder de vista os sonhos. Eles são algumas das setas do nosso caminho. São eles que nos guiam as vontades. Que nos impelem para lugares improváveis ao encontro da magia que podemos viver todos os dias. E o que é um sonho senão um desejo? Um chamamento forte para se fazer algo? Uma…

#day300 – encontrar sem procurar

Sempre fui perita em conseguir o que quero. Não porque me ache de sorte, mas porque sempre corri atrás. Sempre me dei tanto que acabava por conseguir. Achava que esta era a ordem natural das coisas. E continuo a acreditar que profissionalmente isto faz todo o sentido. Mas depois há a magia da vida. Que…

#day299 – amar sem destino

Achava eu que sabia amar. Que bastava colocar nas caixas os momentos. Arrumá-los bonitinhos para as memórias, e catalogá-los de intensidades, verdades e apelos. Achava eu que sabia amar. Que era a ver no futuro o destino brilhante, os passos por dar e os beijos por saborear. Achava eu que sabia amar. Que era a…

#day298 – como se escolhe o caminho? 

Estando atenta às setas. É preciso seguir por onde a vida nos leva. E se há coisa que é importante aprender a ler, são as emoções. Esses indicadores que vão aparecendo para nos ensinar a marcar os passos. Essa energia que corre para um qualquer lugar.  Seguir as setas da energia é perceber de forma…

#day297 – aventura 

Já não me lembrava de deixar passar as horas. Já não sabia contar os minutos do pôr-do-sol. Já não me recordava que o sal pode arder no rosto. Quando as horas de luz, não são demais. Já não sabia cantar baixinho. As altas conversas da vida não sabem sussurrar. Já não reconhecia o olhar que…

#day296 – só se ama com o coração 

Às vezes insisto em amar com a mente. E tento encaixar os outros na minha definição de amor. Acho, arrogantemente, que a vontade pode caber em caixas e que o desejo não pode escapar do trilho que lhe traço. Às vezes acho que sou superior ao coração, que mando nas suas escolhas. Que sei melhor…