#day341 – um Santo Natal

Adoro o Natal. Porque o mundo se mobiliza para se passar tempo em família. Porque tudo fica vazio se não tivermos quem amamos ao nosso lado. Esta altura do ano que puxa à emoção. Que faz a lágrima cair de gratidão. Por nos termos uns aos outros. Não gosto nada dos presentes “obrigatórios” que se…

#day340 – não, obrigada.

Honro todas as vezes em que disse não. Quando esperavam um sim. Que acreditei mais na minha verdade do que me deixei levar pela expectativa do outro. Que demarquei mais o meu limite do que me perdi no vai-vem de outrem. Sou fã de um não bem colocado. De uma barreira a proteger o que…

#day339 – pessoas que são portos de abrigo

Sou das pessoas em quem confio. Que me fazem sentir eu. Que não me deixam margem para inseguranças. Porque me fazem sentir que por algum motivo, sou especial para elas. Todos temos estas pessoas à nossa volta. Todos temos esse alguém que é o colo quando precisamos. O afecto quando queremos. E o amor quando…

#day338 – não sou de metades

Sempre corto com as relações que não me fazem sentir inteira. Há quem só saiba dar pedaços. Há quem não saiba fazer melhor e há quem nem se aperceba do pouco que se entrega. E há quem aceite receber metades. Porque não sabe o que é o inteiro. E vive bem de pedaços. Como se…

#day337 – silêncio

Zumbe a cabeça quando caio no silêncio. Quando mergulho na minha doce solidão de ser. Em mim. Preciso do silencio como quem precisa de respirar. Preciso deste espaço. Deste vazio. Deste nada. Preciso da solidão para me encontrar. Preciso do som que não sinto à minha volta. De zero agenda. Zero afazeres. Zero poluição. A…

#day336 – não me prendam

Não me prendam ao pé da cama. Sei muito pouco acerca de ficar no mesmo lugar. Não me prendam à expectativa alheia. Sei menos ainda acerca de cumprir com o que os outros insistem em trilhar. Não me prendam à solidão. De quem tem e não vê. Ou de quem vê e não quer. A…

#day335 – o meu segredo é a Gratidão

Passo os dias a não caber em mim de gratidão. Às vezes a sensação é tão forte que preciso de respirar e deixar que as lágrimas me levem o esforço. Gratidão é a minha âncora. O meu colo. O meu reduto. Tenho refúgio na gratidão que sinto pelo mundo. Pelas pessoas que me rodeiam. Pelas…

#day334 – as dores como activos de mudança

Um dia escrevi “nem tudo o que dói é mau”. Hoje acrescentaria: é a dor que nos empurra para o que somos. Aprendi a honrar os momentos difíceis como catapultas de mudança. De aprendizagens tão fortes e tão viscerais que me transformaram profundamente. Que me ajudaram a olhar para o outro com empatia. E a…

#day333 – deitar cedo e cedo erguer

Gosto de me deitar com o sol. Descer com ele a montanha. Aninhar-me para além do horizonte. Esconder-me nas encostas sono. E escurecer-me para que as estrelas. Possam aparecer para mim. Gosto de arrefecer algumas horas. Sentir o frio para saber valorizar o quente. Gosto também de andar algumas vezes às escuras. Ensina-me a aprender…

#day332 – quando não se tem o que se quer

A frustração podia gritar alto quando a vida não me dá o que quero. Podia saltar o meu lado de menina mimada a tentar agarrar a oportunidade que se perdeu. Podia segurar-me à infantil esperança de ainda vir a ser como queria. Mas a vida ensinou-me que quando não me dá o que quero, é…

#day331 – muda-se a estação

Muda-se o vento. Muda-se a folha. E o momento. Muda a vida que me chama para fora. Muda tudo quando é preciso mudar de hora. Passo um pente fino aos meus dias sonhados. Olho à minha volta e tento perceber porque estão os meus espaços molhados. E depois percebo que é o amor a chegar…

#330 – Novo

Ando focada no novo. O velho já não me serve. Deito tudo fora. Reciclo. Revejo item a item. Cada ínfima coisa que tenho. Dentro e fora. Arejo, lavo e volto a guardar. Arrumadinho. O que me faz feliz. Tudo está a uso. O que não uso não tenho. Ocupa-me o espaço da liberdade. Pesa-me se…